Basquete em cadeira de rodas: saudade e oportunidade

A saudade do basquete em cadeira de rodas que me fez voar para um dos destinos mais cobiçados por um atleta

A saudade do basquete em cadeira de rodas me rendeu uma aventura e tanto. Claro que depois de afastado eu ainda fui visitar algumas vezes o treino e os amigos, mas as visitas foram ficando cada vez mais raras, e eu estava reclamando a todo momento como estava com saudades de bater uma bola ou pelo menos ir a algum jogo, e a Rio 2016 estava aí. 

Era a oportunidade perfeita para fazer algumas das coisas que eu nunca tinha feito e provavelmente não teria a oportunidade de fazer tão cedo. Eu nunca tinha ido ver um jogo de seleção, e talvez nunca estivesse outra vez em uma paralimpíada, e esse motivo aqui então já seria suficiente. E tudo isso ainda somado ao fato de eu nunca ter viajado de avião. Foi aí que começamos a pesquisar o preço do ingresso, pois sem ele não adiantaria nada. Conseguimos uma promoção para o dia da final masculina: dois ingressos válidos que nos davam direito a assistir a dois jogos.

Já conhece o canal do Área Restritiva no Youtube?

Finalmente, com tudo pronto – ingresso e passagens aéreas -, começou a emoção no final de semana da tão planejada viagem, que já começou com uma separação terrível: a minha cadeira, companheira de vida de rolê, que está comigo em cada momento, não viria dentro do avião comigo. Ali o pânico já tomou conta de mim. E se eu tivesse que salvar todo mundo lá em cima? Felizmente não foi o caso. 

Quando aterrissamos, minha cadeira estava me esperando, linda e inteira (o que foi uma das minhas preocupações). De sexta até o dia do evento, fizemos alguns passeios legais: fomos a um show e gastei o meu inglês de série de TV ajudando um casal de Londres no shopping, ao informar que o elevador estava quebrado. Eu já comecei logo com “hello, my friend”, porque amigo é sempre bom, não tem como dar errado.

Acordamos bem cedo no dia do evento para aproveitar o café da manhã do hotel. Demos uma boa descansada e fomos para o local do evento. Chegada a hora do jogo, fomos ao lugar marcado no ingresso, e ele estava ocupado. Foi então que o pessoal de apoio do evento me disse que se eu quisesse ficar em um camarote e assistir aos dois jogos de lá estaria tudo bem. Fui conduzido ao local e achei a vista pra quadra incrível! Foi aí que descobri, para minha inteira surpresa, já que os ingressos foram adquiridos previamente, que o primeiro jogo seria entre Brasil x Turquia.

+A semente do basquete em cadeira de rodas

Meus amigos, é impressionante fazer parte de uma torcida abraçando sua seleção, jogando em casa e cantando junto! Principalmente em um evento desse tamanho! A cada ponto conquistado, o nervoso, o coração saindo pela boca – isso fora de quadra. Só de imaginar estar em quadra num dia desses é de acelerar o coração! Nossa seleção sofreu uma derrota, mas me sentir parte daquilo tudo, e hoje assistindo ao VT, e lembrar que eu estava lá, cantando e torcendo, querendo ajudar ao máximo que eu podia gritando, foi sensacional. Claro que assistir a disputa do ouro foi muito legal, mas ter a oportunidade de ver a seleção do seu país é surreal.

O basquete em cadeira de rodas sempre me tirou da zona de conforto, e me ajudou a encarar o novo com bons olhos, seja dentro de quadra, com novas amizades, ou até mesmo ao vencer o tamanho da tabela acertando um arremesso, ou passar por uma defesa difícil. E também fora dela, ao me proporcionar minha primeira viagem de avião e presenciar um evento histórico com PCDs do mundo todo.

Saber que tem outra pessoa aqui, ou do outro lado do mundo, que passa pelas mesmas dificuldades que você, e também divide a mesma paixão, e ainda ter a sorte de acabar a viagem assistindo a um jogo da seleção do Brasil, em um camarote, foi uma das experiências mais incríveis da minha vida! 

O Basquetebol em Cadeira de Rodas me levou para os Jogos Paralímpicos
Foto: REUTERS/Sergio Moraes

O esporte está cheio de boas histórias. Algumas esperando para serem contadas e outras para serem vividas, mas todas elas podem ser divididas. Nesse espaço aqui trarei algumas dessas e outras envolvendo nossa querida bolinha laranja e rodinhas em quadra.

O Área Restritiva está no YouTube – conheça o nosso canal.

Um grupo para discutir basquete, como se estivesse em um bar? Conheça o Bar do Área!

Fiquem por dentro do que está acontecendo no Área em nossas redes sociais, marcamos presença no FacebookInstagram e no Twitter. Ah! Também estamos no Catarse, aqui você conhece todo o projeto do Área Restritiva.

Leia mais!

Deixe sua opinião

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Compartilhe!

Se inscreva!

últimas publicações