De dentro para fora do Jogo, uma visão diferente de quem de alguma forma viveu O Basquete.
VOCÊ ESTÁ EM:
  Bate-papo com o Arthur Pecos Sexto-Homem do NBB CAIXA

O Área Restritiva, bateu um papo com o Arthur Pecos, eleito sexto homem do NBB CAIXA na temporada 2016/17 quando defendia o CA Paulistano, o armador de 22 anos foi contratado pelo Flamengo para a próxima temporada do Basquetebol Brasileiro, confiram o nosso Bate-papo, falando um pouquinho sobre a carreira e família, das raízes do Piritubão para o NBB CAIXA.

Bate-papo com o Arthur Pecos Sexto-Homem do NBB CAIXA
O armador de 22 anos, foi uma das peças fundamentais da campanha do Paulista/Corpore na ultima temporada do NBB.
Fotos: Alê da Costa/Portrait

Área Restritiva – Primeiro fala um pouquinho sobre a sua carreira no Basquetebol?
Arthur Pecos – Comecei minha carreira aos 6 anos de idade em Pirituba, na escolinha de basquete do meu tio Carlos Alberto da Silva, sequência passei por Mackenzie, Bauru, Lençóis Paulista, Paulistano, Círculo Militar, Palmeiras ate voltar ao Paulistano e agora Flamengo.
Seleções de base dos 14 aos 19 anos. Bi campeão Brasileiro de Base Campeão sul-americano e algumas coisas mais… (Rsrs)

ÁR – Qual a relação da sua família com o Basquetebol e a sua carreira? Você que não deixa de agradecer a família e eles sempre estão com você nos jogos.
Pecos – Todos estão envolvidos com Basquete, meu pai e minha mãe foram jogadores, Maria Ines e Paulo Tadeu, minha irmã mais velha a Sarith Anischa, jogou também hoje faz um lindo trabalho com basquete em Pirituba, minha irmã mais nova Luana Ariescha esta no sub 19 de São Bernardo e o Cristhya Rogerio, meu irmão caçula hoje atua pelo Pinheiros!
Sim sempre estão nos jogos acompanhando e torcendo, minha namorada Carolina Oliveira também esta sempre ao meu lado em todas partidas!

Todo atleta passa por lesões, de mais simples como uma fratura no pé, no caso do Arthur Pecos não seria diferente, ele já sofreu fraturas nos dois pés.

ÁR – Como foi lidar com uma lesão grave logo quando estava começando uma nova fase da sua carreira?
Pecos – Foi o momento mais difícil que eu vivi, pois perdi aqueles momentos, mas me fortaleceu ainda mais para dois anos depois poder me destacar e ganhar o prêmio de melhor sexto homem!

Bate-papo com o Arthur Pecos Sexto-Homem do NBB CAIXA
Em 2014, segundo ano do armador na equipe, o número de partidas pelo CAP aumentou.
Fotos: Alê da Costa/Portrait

ÁR – A transferência do Palmeiras para o Paulistano, você tinha uma identificação com a torcida, eu me lembro muito bem de ser aclamado quando entrava nos jogos, como foi isso?
Pecos – Sim, tinha essa identificação, pois sempre fui um jogador de muita garra, vontade e sempre joguei com a torcida então isso ajudou!

ÁR – No Palmeiras você já era o Sexto-homem, porque você tinha uma habilidade especial de conseguir mudar o ritmo da partida, como você lidava com isso, essa responsabilidade de controlar o ritmo do jogo?
Pecos – Na verdade eu não sentia muito essa responsabilidade por que isso sempre foi uma coisa minha, de poder vir do banco e mudar o ritmo de jogo! Então essas coisas acabavam fluindo normalmente!

ÁR – Como era a sua relação com o Eran Sherzer, no Palmeiras? Sua chegada no Paulistano, como foi isso?!
Pecos – Sempre foi um cara que me ajudou muito, foi meu ultimo técnico lá, uma relação muito bacana e isso continuou obviamente no CAP quando ele foi pra la também.
Quanto a transferência, foi muito boa, sempre fui bem acolhido lá, mesmo sendo muito novo eu já fui pra o time adulto. Então um mudança bem bacana!

ÁR – Sair do Palmeiras antes do adulto acabar e chegar no Paulistano, com todo um projeto e possibilidades de disputas?
Pecos – Escolhi que naquele momento o Paulistano era a melhor opção pra mim, pelo sub 19 segundo ano de juvenil e possibilidade e título e a chance de ser segundo armador do adulto.

ÁR – Para você qual a principal diferença do Pecos que jogou no Palmeiras e o Pecos que jogou no Paulistano?
Pecos – Acho que essência do Arthur Pecos não mudou, sim ele ganhou maturidade, visão de jogo, muitas melhorias no seu jogo, isso devido a muitos grandes jogadores que fui aprendendo, principalmente com Valtinho no Paulistano!

Em sua primeira temporada no NBB, Pecos teve 16,5 minutos de média. Ainda na temporada 2012/13 do NBB CAIXA teve médias de 6.1 pontos, 1.9 rebotes e 1.7 assistências. Na temporada 2016/17 suas médias aumentaram, passando para 25.7 minutos, 10 pontos, 3.5 rebotes e 4.9 assistências.

Bate-papo com o Arthur Pecos Sexto-Homem do NBB CAIXA
Médias do Arthur Pecos no NBB CAIXA defendendo o Paulistano.
Imagem Extraída do site da LNB (2017)

ÁR – Como você viu essa crescente de tempo de quadra e quantidade de jogos durante as temporadas do NBB?!
Pecos – Acredito que isso tenha acontecido por todo o trabalho que foi feito por mim todos os anos e a minha oportunidade chegou e pude agarrar com unhas e dentes.

ÁR – O Paulistano da temporada 2016/17 foi o time mais jovem da história do NBB CAIXA, normalmente os atletas jovens tem um atleta veterano como espelho dentro da equipe, um conselheiro, como isso funcionou para vocês?
Pecos – Acredito que sim, nos tinhamos 5 jogadores com 30 anos ou mais, então juntando um pouco dos conselhos de todos ajudou todo mundo!

Bate-papo com o Arthur Pecos Sexto-Homem do NBB CAIXA
Recém contratado pelo Flamengo, o Armador já está no Rio de Janeiro e tem aparecido muito na FlaTV

ÁR – Como foi receber o título de sexto homem do NBB CAIXA?!
Pecos – Fiquei muito feliz, não esperava ganhar, então emoção cresceu ainda mais, grato em poder receber esse tÍtulo diante de tantos jogadores muito bem qualificado dentro do NBB.

ÁR – Para finalizar, Pecos no Flamengo. O que podemos esperar de você na equipe e o que esperar do Flamengo para a próxima temporada?!
Pecos – Com certeza muita garra, determinação, foco e muito trabalho para que possamos conseguir os nossos objetivos para essa temporada! Assim como eu procurei fazer por onde passei, podemos esperar um time que dera o seu máximo para buscar os objetivos.

O Área Restritiva, agradece a atenção do armador, muito solícito a ceder um tempo durante a sua mudança para o Rio de Janeiro.  Ele que já está no Rio de Janeiro participando de eventos na Gávea e iniciando seus trabalhos no Rubro Negro Carioca.

Bate-papo com o Arthur Pecos Sexto-Homem do NBB CAIXA
Arthur Pecos depois de receber o troféu de melhor sexto homem do NBB CAIXA 2016/17.
Foto: João Pires/LNB
SOBRE O AUTOR Diego Andrade, mais conhecido como Diego Silver. Professor de Educação Física. Pai, viciado em coisas de Nerd e é claro entusiasta do Basquetebol. Ex-Aluno do Bi-Campeão Mundial Rosa Branca, quando o mesmo era servidor do SESC Consolação. CONHECER TODO TIME
RESENHE COM A GENTE AÍ!

Deixe uma resposta

 
 
VOLTAR AO TOPO
%d blogueiros gostam disto: